Shopping Cart
Your Cart is Empty
Quantity:
Subtotal
Taxes
Shipping
Total
There was an error with PayPalClick here to try again
CelebrateThank you for your business!You should be receiving an order confirmation from Paypal shortly.Exit Shopping Cart

13 DE MAIO

“Hoje, porém, que o Brasil considera o homem unicamente como irmão do homem, hoje que o Brasil conhece a sua pujança pela homogeneidade de sua massa, hoje que a nação reconhece o homem vinculado ao homem pelos mais estreitos laços da liberdade, hoje finalmente que a nação contempla em jubiloso êxtase a justa igualdade dos direitos e deveres de seus filhos, pela grandiosa e imortal obra da redenção, é hoje também que terá o Brasil completado a sua independência.


Portanto, Senhora, devemos considerar o dia 13 de Maio como verdadeiro dia de festa nacional.”

(Transcrição de parte do discurso proferido por Luiz Pedro Drago ao oferecer à Princesa Isabel a pena com que foi assinada a lei Áurea, em 13 de maio de 1888.)

Em 1888, ou seja, há 128 anos, uma lei oficializava o fim da escravidão no Brasil. Mas, infelizmente, ainda hoje, sentimos as marcas sociais que esse fato nefasto de nossa história nos deixou: desigualdades, discriminação, preconceito... As belas palavras do orador ao entregar a caneta com a qual a lei seria assinada, ainda não se cumpriram integralmente. Ainda buscamos igualdade de direitos que ele se referiu.


O tempo que passou entre a assinatura da Lei Áurea e os nossos dias – mais de um século – não foi capaz de apagar as cicatrizes que a escravidão cavou no nosso passado. Atenuou sim algumas delas, mas (re)abriu outras feridas que hoje nos levam ainda a lutar pela igualdade prometida.


Se mesmo após mais de 120 anos ainda se enfrenta preconceito racial e social, imagine então o que foi a declaração do Caboclo das Sete Encruzilhadas, em 1908, apenas 20 anos após da assinatura daquela lei, de que os “espíritos de pretos” trabalhariam em favor dos “humildes, simbolizando a igualdade que deve existir entre todos, encarnados e desencarnados”!


Eis o que nossa religião prega: liberdade, amor, caridade; a defesa da igualdade entre todos e do respeito mútuo que nasce dela.


Liberdade, amor, caridade, igualdade, respeito forma a própria essência de nossos amados Pretos Velhos!


Por isso, hoje e sempre, pedimos aos nossos Vovôs, Vovós, Pais, Mães, Tias e Tios Pretos de Aruanda, símbolos maiores da caridade, que nos ajudem a nos livrarmos dos grilhões do egoísmo, a nos libertarmos das amarras da ignorância e a nos colocarmos ao trabalho pelo nosso próprio bem e pelo bem de todo e qualquer irmão que precisar!


“Vovô me ensina a ler

Vovô quero aprender

Me empresta a sua cartilha

Que eu também quero aprender...”


Salve, os Pretos Velhos! Saravá, Iofá!

0